9.9.10

Vou ver,
o que tenho, o que tive e o que vou ter, num saco de bolas
vitrais imensos vão-se multiplicando, um mundo
de enumeras páginas amarelas bonecos queimados e
bonecas esfarrapadas, balões por encher, cera de velas
estendidas por longas distâncias vinho molhando todos os
buracos abertos baloiços de uma corda e sapatos vermelhos
que no seu espírito vadio voam sem haver nunca um fim.
Circula tudo, ou estagnou tudo, num campo de
concentração de metáforas, a nossa própria história uniu-se.
A estrutura!